Festival ORIGRAFFES 2018 – Original Graffiti Espírito Santo

Um breve relato da experiência incrível que foi participar do Origraffes 2018.

Eu (Eve14) e o Casé (ambos representando a  Colab2 Crew) e outros 138 artistas fomos selecionados para a edição de 2018 do Festival Origraffes (Original Graffiti Espírito Santo). E foi em um dia em que reunimos toda a crew para pintar e confraternizar que recebemos o resultado, 1º de Maio.

Passamos alguns dias estasiados com a notícia e logo compramos as passagens e confirmamos nossa presença com os organizadores do evento, Liam e Starley, dois artistas do Espírito Santo e que se dedicam na produção exaustiva desse mega evento nacional, promovendo a cena do graffiti e ampliando a visão que todo o país tem do graffiti nesse estado.

De Maio a Julho o tempo passou muito rápido e logo chegou o dia de embarcarmos de SP para o ES. Chegamos no aeroporto Vix na quinta-feira dia 19, lá mesmo encontramos e conhecemos outros artistas e também a equipe do Origraffes que estava fazendo o translado até o alojamento. Em pouco menos de uma hora estávamos em Serra, especificamente no bairro do evento, Feu Rosa. Fomos muito bem recepcionados, guardamos nossas malas e saímos pelo bairro fazendo aquele reconhecimento turístico e desde então conhecemos e tivemos a companhia e orientação durante toda nossa estada na cidade pelo Weverton.

Weverton é desses caras prestativos a toda a comunidade, todos o conhecem, respeitam e sabem da caminhada. Um ser humano único, difícil mesmo encontrar pessoas como ele, simples, humilde, inteligente, com personalidade forte, político e profundamente humano. Ele compartilhou um pouco da sua história conosco, e acabamos percebendo que viemos das mesmas raízes (a rua)!

Sexta-feira iniciamos nossa pintura junto com outros 5 artistas, Iceman, Mudof, Buyu, Osmo e Ploom. Definimos o que faríamos para integrar todos os trabalhos e separamos os espaços. Com muito tempo e cada um com uma rotina diferente o painel foi se construindo gradativamente ao longo dos 3 dias de evento. Naturalmente o horário em que mais trabalhamos foi aos finais de tarde e início da noite, quando o sol não mais castigava (nosso painel não tinha sombra em nenhum momento do dia), mas isso não era um problema, apenas tínhamos esse tempo para nos dar o luxo de pintar nos horários mais cômodos e aproveitamos o dia para conhecer a cidade, outros artistas e seus trabalhos e também espalhar alguns graffitis ao redor de Feu Rosa. E claro… tomar umas brejas da Macaxá Brejas, cerveja local que produziu uma série artesanal exclusiva para o evento, uma pilsen leve, saborosa e muito refrescante, sem contar na IPA, Stout, Fruit Beer (Morango) e outras.. uma carta de cervejas seleta para um rolê ainda mais fantástico.

Rolou um som também, evento de graffiti sem som não é a mesma coisa. No primeiro dia o pessoal estava com algumas dificuldades até que o DJ Jota apareceu e juntos conseguiram fazer as caixas vibrarem. Outra pessoa ímpar, humilde, prestativa, humano. Pode ter certeza que vou aceitar o convite de pousar por ai quando voltar a Vitória Jota.

Às noites o evento tinha continuidade também com o graffiti, por aqueles artistas que queriam fugir do sol escaldante e também das batalhas de MC’s, que animavam a galera com rimas improvisadas e inteligentes.

Os dias se passaram ainda mais rápido. No domingo conhecemos a praia de Jacaraípe, seguimos (Zeferina, Weverton, Casé e eu) de Uber e em 15 minutos chegamos a uma praia calma e perfeita para apreciarmos o pôr do sol. Dali seguimos pintando e chegamos a um bar, onde pintamos também, tomamos algumas geladas, conversamos no cair da noite e então voltamos ao alojamento.

Essa noite a pizzaria Point Cristão (onde já havíamos saboreado a pizza local) enviou uma pizza para os participantes do evento, mas não era qualquer pizza, o nome dela é Golias, tem aproximadamente um metro de diâmetro e serve mais de 60 pessoas! A pizza é gigante e precisou ser entregue em uma fiorino. Finalizamos a noite assim e infelizmente com algumas despedidas. Alguns já estavam seguindo para o aeroporto, outros iriam bem cedo e alguns era mesmo a incerteza de que os veríamos no dia seguinte antes de nossa volta para SP.

Segunda-feira amanheceu e retornamos para nossa cidade, trazendo uma bagagem enorme de conhecimentos, amizades e principalmente a experiência de poder participar de um evento tão importante para a cena do graffiti nacional.

Só tenho a agradecer a todos que estiveram presentes em todos esses momentos, desde o momento da inscrição até o nosso retorno a SP.

Agradecimentos:

Tamiris, Paula, Casé, Liam, Starley, Keka, Tia Bel, Zeferina, Weverton, Macaxá Brejas, Mils, Mudof, Julio Torquetti, Ploom, Iceman, Byl, Osmo, Hirlan, Diego Dais, Belo, Manolo, Apa, Juuh, Devis, Keka Florencio, Edinho, Jotapepax, Moris, DJ Jota e muitos outros que provavelmente não vou lembrar nesse momento, mas que estão no coração, na história.

Obrigado Origraffes!

Anúncios

Retomando esse espaço, vamos falar de WordPress e Graffiti

Esse meu blog acabou ficando parado por 2 anos. Segui outros projetos, escrevi em blogs de terceiros, iniciei um blog específico de WordPress mas não consegui dar dinâmica e ritmo ao mesmo e resolvi o fechar. Com isso estou voltando ao meu blog no WordPress.com para compartilhar dicas e truques com WordPress, isso sempre me ajudou a aprender cada vez mais, principalmente o desafio de encontrar questões em fóruns e solucioná-las.

Falaremos também de graffiti, que é uma linguagem que me acompanha desde criança e coincidentemente ou não, hoje é o 44º Aniversário de Nascimento do HipHop, que é um movimento que engloba outras linguagens além  do graffiti.

É isso pessoal. Sigamos com as atividades.

Os Escritores e o Plano do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas da cidade de São Paulo (PMLLLB)

O Instituto Pólis através do seu Pontão de Cultura de Convivência e Paz está promovendo um bate papo com agentes culturais envolvidos com livros e literatura. Fui convidado para representar o Coletivo 5 Zonas e apresentar o projeto Graffiti Poético.

Na mesa, junto comigo, estarão:

Binho (Sarau do Binho)
Elizandra Souza (Mjiba – Jovens Mulheres Revolucionárias)
Raquel Almeida da Silva (Coletivo Literário Sarau Elo da Corrente)

O evento acontecerá no dia 13 de Setembro, durante todo o dia, começando às 9h30.

Quem quiser participar basta enviar um e-mail para pontao@polis.org.br com Nome, telefone e email.

Segue o flyer:

PMLLLB

BlackBook

Inauguração da loja de graffiti BlackBook

Desde 2004 o mercado e cultura do graffiti no Brasil tem crescido de forma acelerada. Tanto o número de pessoas que fazem esse tipo de arte como as lojas e empresas especializadas no assunto. O mercado é vasto e possui espaço para todo mundo. Lembro de ter prestigiado o evento de lançamento da loja Grapixo a mais de 10 anos, com vários grafiteiros usando os materiais importados exclusivamente por essa loja nos muros da CPTM, na região do Brás. Tudo aquilo era novidade, tinta de qualidade e específica para graffiti, muitos artistas de todas as regiões e a esperança de um mercado focado ao tema. E então, isso foi o start para produtos mais profissionais e específicos do graffiti em São Paulo e consequentemente todo Brasil.

Hoje o número de lojas de graffiti tem crescido e ajudado muito as regiões em que se instalam. No início o foco era o centro de São Paulo, na Galeria do Rock ou próximo dalí. Hoje existem lojas de graffiti no ABC, na Consolação, na Zona Sul e em muitos outros lugares. Além de tornar o mercado mais competitivo, facilita a compra dos materiais.

Chegou então o momento da Zona Leste receber um point como esse. Inaugurada na sexta-feira (15/08/2014) a loja BlackBook vem com uma proposta nova e que muito se comunica com a linguagem. Localizada na Rua Caititu, 618, próximo ao Metrô Itaquera, a BlackBook tem em seu nome as palavras Ateliê & Shop. Com isso os proprietários Pack e Sow pretendem trazer vivências artísticas ao espaço, com encontros (inicialmente) às terças. E assim reforçar sua posição como um espaço potencializador de arte antes de ser uma loja.

Veja algumas fotos da inauguração.

Sprays Braza

Spray Braza from Brazil

A Montana Colors lançou uma nova linha de sprays, e por incrível que pareça ela é exclusiva para  Brasil.

Se chama Braza!

Veja o teaser:

 

E com uma promessa de ter um preço mais justo no mercado super competitivo que as grandes mascas de spray para graffiti vivem aqui no Brasil de uns dois anos para cá.

Os detalhes da latinha são:

MTN BRAZA
32 Cores
Baixa Pressão
Alta Cobertura
Válvula “All Pressure
Acabamento fosco
Distribuído no Brasil por Graffco

Minhas duas profissões

No final do ano passado e início de 2012, nós da EtéDesign Brasa fizemos o site do CircoVox. E em Agosto desse ano (2012), fui convidado pelos mesmos a grafitar a fachada do galpão do circo com a mesma temática e estética. Assim juntei minhas duas profissões, designer gráfico/web e grafiteiro.

Eve14 em ação no NovosArtistas

Eve14 em NovosArtistas

Segunda-feira (02/07/2012) participei da filmagem para o projeto NovosArtistas. Esse projeto consiste na produção de material para portfólio de cinco artistas (Eve14, Mogle, Zéis, Sow e Pack). O projeto é uma iniciativa do Coletivo 5 Zonas e está em sua primeira edição. O resultado deve ser publicado em Agosto junto com uma exposição desses artistas.

Olá, mundo!

Olá mundo, o post já vem criado pelo WordPress, então nada melhor do que aproveitá-lo para iniciar o blog.

A anos que o blog estava parado aqui, mas vou assumir o endereço e publicar com mais frequencia.

Como foco, os temas serão (bem contraditórios): Graffiti e WordPress, vamos ver o que pode sair.

Abraços a todos!