Festival ORIGRAFFES 2018 – Original Graffiti Espírito Santo

Um breve relato da experiência incrível que foi participar do Origraffes 2018.

Eu (Eve14) e o Casé (ambos representando a  Colab2 Crew) e outros 138 artistas fomos selecionados para a edição de 2018 do Festival Origraffes (Original Graffiti Espírito Santo). E foi em um dia em que reunimos toda a crew para pintar e confraternizar que recebemos o resultado, 1º de Maio.

Passamos alguns dias estasiados com a notícia e logo compramos as passagens e confirmamos nossa presença com os organizadores do evento, Liam e Starley, dois artistas do Espírito Santo e que se dedicam na produção exaustiva desse mega evento nacional, promovendo a cena do graffiti e ampliando a visão que todo o país tem do graffiti nesse estado.

De Maio a Julho o tempo passou muito rápido e logo chegou o dia de embarcarmos de SP para o ES. Chegamos no aeroporto Vix na quinta-feira dia 19, lá mesmo encontramos e conhecemos outros artistas e também a equipe do Origraffes que estava fazendo o translado até o alojamento. Em pouco menos de uma hora estávamos em Serra, especificamente no bairro do evento, Feu Rosa. Fomos muito bem recepcionados, guardamos nossas malas e saímos pelo bairro fazendo aquele reconhecimento turístico e desde então conhecemos e tivemos a companhia e orientação durante toda nossa estada na cidade pelo Weverton.

Weverton é desses caras prestativos a toda a comunidade, todos o conhecem, respeitam e sabem da caminhada. Um ser humano único, difícil mesmo encontrar pessoas como ele, simples, humilde, inteligente, com personalidade forte, político e profundamente humano. Ele compartilhou um pouco da sua história conosco, e acabamos percebendo que viemos das mesmas raízes (a rua)!

Sexta-feira iniciamos nossa pintura junto com outros 5 artistas, Iceman, Mudof, Buyu, Osmo e Ploom. Definimos o que faríamos para integrar todos os trabalhos e separamos os espaços. Com muito tempo e cada um com uma rotina diferente o painel foi se construindo gradativamente ao longo dos 3 dias de evento. Naturalmente o horário em que mais trabalhamos foi aos finais de tarde e início da noite, quando o sol não mais castigava (nosso painel não tinha sombra em nenhum momento do dia), mas isso não era um problema, apenas tínhamos esse tempo para nos dar o luxo de pintar nos horários mais cômodos e aproveitamos o dia para conhecer a cidade, outros artistas e seus trabalhos e também espalhar alguns graffitis ao redor de Feu Rosa. E claro… tomar umas brejas da Macaxá Brejas, cerveja local que produziu uma série artesanal exclusiva para o evento, uma pilsen leve, saborosa e muito refrescante, sem contar na IPA, Stout, Fruit Beer (Morango) e outras.. uma carta de cervejas seleta para um rolê ainda mais fantástico.

Rolou um som também, evento de graffiti sem som não é a mesma coisa. No primeiro dia o pessoal estava com algumas dificuldades até que o DJ Jota apareceu e juntos conseguiram fazer as caixas vibrarem. Outra pessoa ímpar, humilde, prestativa, humano. Pode ter certeza que vou aceitar o convite de pousar por ai quando voltar a Vitória Jota.

Às noites o evento tinha continuidade também com o graffiti, por aqueles artistas que queriam fugir do sol escaldante e também das batalhas de MC’s, que animavam a galera com rimas improvisadas e inteligentes.

Os dias se passaram ainda mais rápido. No domingo conhecemos a praia de Jacaraípe, seguimos (Zeferina, Weverton, Casé e eu) de Uber e em 15 minutos chegamos a uma praia calma e perfeita para apreciarmos o pôr do sol. Dali seguimos pintando e chegamos a um bar, onde pintamos também, tomamos algumas geladas, conversamos no cair da noite e então voltamos ao alojamento.

Essa noite a pizzaria Point Cristão (onde já havíamos saboreado a pizza local) enviou uma pizza para os participantes do evento, mas não era qualquer pizza, o nome dela é Golias, tem aproximadamente um metro de diâmetro e serve mais de 60 pessoas! A pizza é gigante e precisou ser entregue em uma fiorino. Finalizamos a noite assim e infelizmente com algumas despedidas. Alguns já estavam seguindo para o aeroporto, outros iriam bem cedo e alguns era mesmo a incerteza de que os veríamos no dia seguinte antes de nossa volta para SP.

Segunda-feira amanheceu e retornamos para nossa cidade, trazendo uma bagagem enorme de conhecimentos, amizades e principalmente a experiência de poder participar de um evento tão importante para a cena do graffiti nacional.

Só tenho a agradecer a todos que estiveram presentes em todos esses momentos, desde o momento da inscrição até o nosso retorno a SP.

Agradecimentos:

Tamiris, Paula, Casé, Liam, Starley, Keka, Tia Bel, Zeferina, Weverton, Macaxá Brejas, Mils, Mudof, Julio Torquetti, Ploom, Iceman, Byl, Osmo, Hirlan, Diego Dais, Belo, Manolo, Apa, Juuh, Devis, Keka Florencio, Edinho, Jotapepax, Moris, DJ Jota e muitos outros que provavelmente não vou lembrar nesse momento, mas que estão no coração, na história.

Obrigado Origraffes!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s